Empreendedorismo na pandemia: 7 ideias de negócio que bombaram em tempos de crise

Escrito por: Cotidiano Aceleradora

6 de abril de 2022

Empreendedorismo na pandemia saiba como combater os momentos de crise

O ano de 2020 foi um divisor de águas para muitos empreendedores e trabalhadores ao redor do mundo. A crise sanitária ao nível global trouxe uma série de consequências e mudanças na vida dessas pessoas. Empresas encerraram suas atividades com a necessidade de isolamento e distanciamento social. Empregos foram perdidos e muitos funcionários tiveram seus salários reduzidos. O empreendedorismo na pandemia se tornou a principal alternativa para muitas pessoas.

Empreender em cenários “normais” é um risco alto  Muitos negócios fecham as suas portas logo nos primeiros anos de funcionamento por falta de preparo. Num contexto de pandemia, onde tudo é ainda mais incerto, vale a pena avaliar as oportunidades e ameaças para saber se investir no empreendedorismo trará os resultados esperados.

Se você tem pensando em seguir com o empreendedorismo na pandemia, mas não sabe por onde começar, nem em qual ramo atuar, separamos 7 ideias lucrativas que deram certo para você conhecer. Boa leitura!

O cenário do empreendedorismo na pandemia

As mudanças ocasionadas pela pandemia da COVID-19 causaram impactos incalculáveis para muitas organizações. Algumas áreas foram severamente afetadas mais do que outras

Para evitar o aumento de pessoas infectadas, apenas os setores da economia considerados como essenciais se mantiveram em plena atividade. Os que não se enquadraram na categoria infelizmente precisaram fechar as portas temporária ou definitivamente.

Mesmo num contexto bastante crítico, algumas áreas registraram crescimento enquanto outras se encontravam em situação de total declínio. Esse cenário seguiu durante todo o ano de 2020 e 2021. 

Ainda que se tenha registrado oscilações durante esse período, os números em 2020 foram animadores. Em fevereiro de 2021 o Ministério da Economia apresentou números sobre o empreendedorismo na pandemia do ano anterior. O Brasil finalizou o ano com números recordes em relação à abertura de novos negócios. Foram 6% a mais quando comparados aos dados de 2019, totalizando 20 milhões de empresas em pleno funcionamento.

Embora os números revelem um cenário bastante favorável, não podemos considerar como uma unanimidade. Um relatório da Global Entrepreneurship Monitor revelou que aproximadamente 10 milhões de empreendedores encerraram suas atividades no Brasil por causa dos impactos da pandemia.

Muitos negócios que funcionavam há muitos anos fecharam as portas diante da dificuldade de se reinventar e se adaptar à nova realidade que a pandemia trouxe. Em contrapartida, novas empresas de micro e pequeno portes surgiram em virtude do alto índice de desemprego. Muitas pessoas sem preparo para empreender resolveram apostar e começar um projeto do zero.

Quando se tratam dos MEIs (Microempreendedores Individuais), os números foram ainda mais significativos: 8,4% de novos profissionais a mais registrados na categoria. O percentual representa 2,5 milhões de novos trabalhadores.

Quais os desafios do empreendedorismo na pandemia?

Empreender atrai dois perfis de profissionais: aquele que busca empreender aproveitando as oportunidades do mercado e o empreendedor que se adapta à situação por não ter outra saída. 

Os dois tipos de empreendedores estão sujeitos a riscos caso não tenham conhecimento e todo o amparo necessário para abrir um negócio. Na pandemia essas ameaças se intensificaram por diversos fatores.

O empreendedorismo na pandemia traz diversos desafios para quem deseja se aventurar e começar o seu próprio empreendimento. Aqui estão alguns deles.

  • Iniciar algo imediatamente pela necessidade de sobrevivência e sem conhecer o suficiente sobre o ramo de atuação;
  • Fazer investimentos do próprio bolso sem qualquer garantia de retorno do que foi aplicado, mesmo que a longo prazo. Muitas vezes o capital utilizado são as economias utilizadas numa situação emergencial;
  • Falta de planejamento para todas as etapas da abertura da empresa;
  • Concorrência acirrada;
  • Ter uma ideia que não condiz com a realidade ainda restrita em que vivemos.

7 opções de negócios lucrativos para o empreendedorismo na pandemia 

Apesar de todos os percalços ainda enfrentados, alguns setores da economia superaqueceram no período. Selecionamos 7 ideias rentáveis ligadas ao empreendedorismo na pandemia. Confira!

#01. Mão-de-obra freelancer

Se você deseja começar devagar dando um passo de cada vez, que tal começar a empreender como profissional freelancer?

Para quem já tem uma profissão e por causa da pandemia não pode mais exercê-la, essa é uma excelente oportunidade de recomeçar. Você pode iniciar o seu projeto sem vínculo empregatício, divulgando a sua prestação de serviços através das redes sociais. 

Para isso é importante também, gradualmente, construir a sua presença digital para alcançar o maior número de potenciais clientes. Outra possibilidade é divulgar o seu trabalho em plataformas específicas para freelancers.

Uma evolução a longo prazo viabiliza mais tempo para se dedicar ao planejamento do seu negócio. Você terá mais tempo para analisar o potencial do seu empreendimento e quem sabe levá-lo para outros níveis, como a contratação de uma equipe ou até mesmo estabelecer uma sociedade.

#02. Educação online

A necessidade de isolamento e distanciamento social impôs uma realidade até então improvável para a área de educação: ter aulas em todas as categorias de instituições totalmente remotas.

A modalidade EAD já era aplicada para alguns cursos específicos, mas não para todos. Imagine o quão diferente foi observar as escolas regulares, idiomas, cursos técnicos e universidades oferecendo seus serviços no digital.

Essa foi uma saída utilizada por vários outros profissionais que se viram impedidos de realizar os seus trabalhos por não serem considerados essenciais. Um exemplo foram os músicos, que ofereceram serviços como professores particulares de música. Quem já atuava no ramo aproveitou o momento para disponibilizar o ensino musical à distância, já que não era permitido a educação em formato presencial.

#03. E-commerce

Da noite para o dia, muitos negócios, principalmente os pequenos e médios, se viram diante da necessidade de se adaptarem às mudanças provocadas pelo isolamento e distanciamento social. 

Para garantir a sobrevivência dos seus negócios, muitos comerciantes precisaram migrar para o digital para ofertar seus produtos e serviços e assim permanecer ativos. Já que não podiam funcionar presencialmente, esses empreendedores contrataram serviços de delivery para entregar os pedidos onde quer que o cliente estivesse.

Isso ajudou a impulsionar ainda mais a prestação de serviços de entregas. Com o distanciamento social, cresceu o consumo do serviço de delivery no país. Os gastos com esses tipos de serviços aumentaram em 149% durante a pandemia.

#04. Saúde e bem-estar

Outro setor que precisou migrar para o digital foram os instrutores e profissionais de educação física e bem-estar. Com as pessoas permanecendo mais tempo em casa, os cuidados com a saúde e bem-estar não deveriam ser negligenciados por quem ainda podiam tê-los.

Por isso, professores e instrutores de diversas modalidades esportivas e afins seguiram com suas aulas graças à ajuda da tecnologia com as videoaulas. Além das plataformas que já disponibilizavam o serviço de forma gratuita, vários professores conseguiram manter seus empregos e seus alunos pelo ensino remoto.

#05. Consultorias

Profissionais que já atuavam no ramo de consultoria deram continuidade aos seus serviços já que o modelo permite o trabalho realizado de forma híbrida.

Para seguir nesse caminho não é preciso muito. Um bom dispositivo, um serviço de internet com conexão suficientemente boa para não te abandonar e uma plataforma para chamadas de vídeos é tudo o que você necessita para ofertar os seus serviços de consultoria.

#06. Clube de assinaturas

Sem possibilidades de sair de casa para socializar com amigos e pessoas mais íntimas, muita gente buscou alternativas de entretenimento entre as quatro paredes do seu lar.

O clube de assinaturas é uma alternativa para quem deseja consumir algum produto de sua preferência de forma recorrente. Nesse formato é possível receber livros, vinhos, produtos de beleza e autocuidado e até mesmo artigos para pets, todos entregues em domicílio ou no endereço de preferência do cliente.

#07. Negócios digitais

Essa foi outra opção para quem precisou adotar outras estratégias para dar continuidade ao seu negócio ou para quem estava começando suas atividades.

Muitas empresas atuaram e seguem atendendo remotamente até hoje. Elas fazem parte de uma parcela de negócios que se enquadram no empreendedorismo digital onde profissionais trabalham de qualquer local atendendo prontamente a todas as necessidades dos seus clientes.

Conclusão

O empreendedorismo na pandemia é uma excelente oportunidade de gerar receita se você souber conciliar sua ideia com as necessidades do mercado. Além disso, é preciso conhecimento suficiente para entrar num “território desconhecido” para saber lidar com ele não só nos dias de melhores resultados, mas principalmente quando a dificuldade bater na sua porta.

Se você gostou desse conteúdo, que tal visitar o nosso blog e conferir outros artigos relacionados ao mundo dos negócios? Temos certeza de que você vai aproveitar bastante a leitura enquanto o próximo post não chega. Até breve!

Inscreva-se no CAMP10

Artigos Relacionados

LTV: saiba o que é e se realmente vale a pena investir nele

LTV: saiba o que é e se realmente vale a pena investir nele

Já parou para pensar quanto vale cada cliente que está na sua base? Quando falamos de valor não estamos lidando com a questão afetiva, mas de cifras. Cada um deles tem um custo e é fundamental para a empresa avaliar se os investimentos geram os resultados esperados....